Ninguém é anjo

Sempre quando a gente imagina um ser humano bom, desprovido de maldade, rancores e hipocrisias, o que nos vem à mente é um índio ou uma criança. Se possível, uma criancinha índia.

No caso dos índios, é sempre aquele papo de que eles vivem mais em harmonia com a natureza, respeitam os animais, são sinceros e puros em sua nudez e tudo o mais. Bem, para mim, só fala isso quem não entende nada de índio. Não que eu entenda tanto assim também, mas eu sei muito bem que, bem antes do homem branco chegar por aqui com toda sua impureza, sua cobiça, suas doenças e guerras, o índio já fazia muita porcaria. Aliás, a guerra tinha muita importância para os povos indígenas, e algumas tribos chegavam a exterminar umas às outras. As guerras ocorriam para vingar parentes mortos, conquistar terras mais produtivas, espantar maus espíritos. Tudo igualzinho a nós. Pois a Guerra do Iraque não foi uma espécie de vingança e, de lambuja, para arranjar uma terras mais produtivas em petróleo? E o terrorismo do Islã, não é uma espécie de guerra religiosa, tentando espantar maus espíritos? E, para piorar a coisa para o lado dos índios, alguns povos praticavam a antropofagia, pois acreditavam que, devorando o prisioneiro, incorporavam suas virtudes. Quer dizer, o índio, além de vingativo, ganancioso e extremamente supersticioso, ainda era antropófago. E onde é que esses estudiosos vêem pureza e sensibilidade nos índios? Os índios são o que são, oras, nem melhores nem piores que você ou eu.

Bem, sobram-nos as criancinhas.  Ah, as criancinhas. Elas sim, são a personificação do angelical, o último reduto da alma pura e ingênua. Pois são o escambal. Eu gostaria que você, em vez de ficar assistindo televisão, observasse melhor seus filhos (ou sobrinhos, ou netos, ou sejam lá o que forem aquelas criancinhas que sobraram para você ficar tomando conta). Pois as criancinhas passam a maior parte do tempo tentando ser melhores que as outras, seja nos jogos de pega-pega, seja nos videogames. Ou isso, ou então partem para o pau mesmo, rolando pelo chão agarradas aos cabelos umas das outras. E vai uma prima tentar brincar com o brinquedo do primo para você ver só o rolo que dá. O que mais se ouve numa conversa de criança é “isso é meu” para cá, e “isso é meu” para lá.

Não adianta. O ser humano é ruim desde pequenininho. Seja branco, índio ou lilás.

There are no comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: